19 março 2008

Sem título (12-03-2008)

Quando a gente está em casa
É uma festa sem tamanha
Parecemos duas crianças
No jardim da infância

Um sorriso simples, sem igual
Sua mão suave, tão natural
Em meus cabelos a se perder
Levanta o meu astral

Seu sorriso é tão latente
Contagia a qualquer um
Mesmo o dia mais nublado
O meu céu fica azul

Minha vida sem você
Tem sentido mais nenhum
Com você quero ficar
Meu amor mais do que puro

2 comentários:

Dinha disse...

Meu lindinho,
A gente enxerga no outro aquilo que a gente é. Essa beleza toda que você ressalta em mim, na verdade ela só é revelada, porque já existe dentro de ti.
Obrigada por ser tão maravilhoso, companheiro, romântico e tornar os meus dias sempre mais floridos.
Te adoro.

Dinha disse...

Meu querido,
É tão fácil gostar de você e tão difícil escrever para você. Porque parece que a gente fica boba. Hoje na aula de yoga, entre um exercício e outro, meu pensamento ia até você. De repente um sorriso brotava no meu rosto, somente pela tua lembrança. Penso no quanto eu gosto de olhar você dormir. Um sono tranqüilo, de respiração profunda, com um semblante sereno, que faz a gente pensar: “como o mundo é bonito”. Poderia passar horas e horas apenas te contemplando.
Pensei também em nossas aventuras nos dias das compras domésticas. Aí aparece o Rogério mais forte de todos, que carrega 1001 sacolas só com um dedinho, e ainda me dá a mão, abre o portão e sorri.
Adorei você ir me buscar no sábado. Levar a florzinha, faz tudo parecer mágico e deixa ainda mais encantador.
Penso na vida que tenho, no quanto sou feliz, no quanto Deus foi generoso comigo...