03 novembro 2008

Foi Massa



38 segundos. 03 curvas. Menos de 01 quilômetro. Essas foram as medidas em que Massa foi campeão da F-1, o que seria um feito histórico, já que esta foi sua temporada de estréia na elite do automobilismo mundial.
Foi impossível não ter assistido a corrida, sabendo das chances – mínimas, mas existiam – dele ser campeão mundial e devolver a alegria e vontade de assistir a F-1 com prazer e paixão.
Não culpo Barrichelo por nunca deslanchar na F-1, na minha opinião ele foi muito injustiçado: ficou muitos anos em duas equipes que tinham carros pífios (Jordan e Stewart); quando foi para a elite dos motores (Ferrari), foi obrigado a ser a sombra de Schumacher em todos os sentidos, pulverizando seu potencial em seu “auge” profissional; Agora na Honda, apesar de ter feito outras temporadas aquém do desejado, agora vive na esperança da caridade de mantê-lo na equipe, já que ela ainda não trabalhou com a melhor opção de pneus – fato que só acontecerá ano que vem, e queiram ou não, Barrichelo entende bem de tais pneus, o que lhe falta é ser o piloto número 01 de um carro que não lhe deixe na mão, como todos os outros.
Voltando a falar de Massa, a corrida ontem foi perfeita, linda, e na última volta, deu para ouvir o alvoroço das outras pessoas de meu prédio, também na expectativa que aquela tarde chuvosa se tornasse uma alegria sem tamanha em Interlagos e nos corações de quem gosta de automobilismo no Brasil... se não fosse o erro de estratégia de Glock, que matou os funcionários da Honda Brasil de vergonha; Vettel fez sua parte, mas infelizmente não foi suficiente.
Hamilton merecia um título na F-1, mas não esse ano, o título era de Massa: em uma corrida que ele liderava com folga, o motor estoura faltando 03 voltas para o fim, e em outras 02 corridas, sua equipe lhe deixa na mão na hora do pit-stop.
Independente de tudo, valeu Massa, foi brasileiro e perdeu como homem, lutando até o último segundo, acreditando em seu potencial e trabalho bem feito. Até 2009.

Um comentário:

Dinha disse...

2008 esta sendo um ano de grandes emoções para nós brasieliros no esporte: Olimpíadas, Para-olimpíadas, a volta do TIMÃO para a primeira divisão e, por fim, grandes emoções no automobilismo. Penso, é por essas, que o esporte é lindo, emocionante, empolgante, que em segundos nos faz vibrar como o dia mais feliz da nossa vida, mas muitas vezes, transforma essa euforia em uma grande lamentação. É verdade, o Felipe resgatou em nós brasileiros o gosto em voltar a acompanhar a F1.